Início Nacional Dirceu e Genoino se transformam em alvos móveis no presídio da Papuda

Dirceu e Genoino se transformam em alvos móveis no presídio da Papuda

0
COMPARTILHAR

(A mulher do deputado Genoino, Rioco Kayano, e os filhos Ronan e Miruna, aguardavam a possibilidade de o visitar no Complexo Penitenciário da Papuda na tarde desta segunda-feira)

A intenção do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), de facilitar o ingresso da família do deputado José Genoino no presídio da Papuda para uma visita para lhe prestar atendimento e solidariedade, de acordo com o que disse fonte nos serviços de inteligência ao Correio do Brasil, na manhã desta terça-feira, “gerou um tremendo mal estar junto aos presos comuns”. O alvo da ira de setores organizados entre os presidiários, no entanto, ainda segundo um informe vazado de dentro da cadeia, “é o ex-ministro José Dirceu, pintado como ‘chefe da quadrilha do mensalão”.

(A mulher do deputado Genoino, Rioco Kayano, e os filhos Ronan e Miruna, aguardavam a possibilidade de o visitar no Complexo Penitenciário da Papuda na tarde desta segunda-feira)

– Diria, sem medo de errar, que a vida do Zé (Dirceu) passou a valer um pouco menos depois que ele chegou ao Complexo (da Papuda). Mesmo com a transferência dele e de Genoino para um pavilhão de segurança mínima, o risco de um atentado é o mesmo. Notícia corre entre os presidiários e, invariavelmente, chega aos guardas. E a novidade do momento é a presença de alguém, com o poder que eles tiveram, e têm, na República, em um ambiente volátil como este da cadeia. O risco (de morte) é grande – advertiu a fonte, que mantém o anonimato por razões óbvias.

Dirceu, Genoino e Delúbio Soares, tesoureiro do PT à época do escândalo, em 2005, foram colocados em uma mesma cela, o que já seria “uma medida mínima de segurança adotada pela direção do presídio”, segundo observou aquela fonte. As chances de um ataque a qualquer um deles, no meio da noite, fica reduzida.

– Mas, de outro lado, aumenta a exposição, principalmente de Dirceu, ao longo do dia, pois eles estão liberados para o banho de sol durante a manhã, até o final da tarde – acrescentou a fonte.

Este mesmo integrante da área de inteligência federal também não afasta uma ação política, partindo do exterior como o apoio de setores da oposição, no Brasil, no sentido de promover um fator de tensão junto à sociedade. Um monitoramento mais apurado dos movimentos de setores da extrema-direita no país “tem mostrado que os níveis de ódio nesses segmentos aumentaram com a prisão dos réus (na AP 470). Qualquer força externa mal intencionada, com certeza, aproveitaria esse momento”, revela.

Ruidoso e repleto de falhas legais, como apontam juristas independentes e os advogados dos réus, o julgamento do ‘mensalão’ guarda “essa faceta golpista”, segundo observou a fonte.

– No pior caso, que seria um atentado à vida de Dirceu, ou de Genoino, ou a ambos, a tensão nas ruas tende a subir na mesma medida em que os protestos se elevam nas redes sociais. Mesmo sem esse risco evidente, percebe-se o grau de revolta das pessoas, de um lado, pelas condições de saúde do deputado, e de outro, por um suposto tratamento diferenciado a que estariam fazendo jus na prisão – afirmou.

Na véspera, o ex-deputado Fernando Gabeira, do Partido Verde (PV), hoje ligado à extrema direita no Brasil, disse na edição de um diário conservador que a galeria de número 13 da Papuda teria sido pintada de vermelho, em homenagem aos petistas presos. O fato não se confirmou, mas foi suficiente para gerar um barulho no Twitter e no Facebook, principais redes sociais em curso no país.

Há 13 anos, a Papuda foi palco de uma das mais sangrentas rebeliões de que se teve notícia no país. Morreram, ao todo, 11 detentos do presídio de segurança máxima. A briga teve origem em um motivo político, com a morte do prisioneiro Ananias da Silva, informante da CPI do Narcotráfico. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública de Brasília, Ananias teria ligações com os deputados cassados Hildebrando Pascoal (AC) e José Gerardo (MA). Ambos estão presos na Papuda, acusados de chefiar o crime organizado em seus Estados.

Prisão irregular

A simples presença de Dirceu e Genoino em um presídio de alto risco, como é o da Papuda, para os advogados dos apenados no julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), conhecido como ‘mensalão’, já se trata de irregularidade, digna de um processo contra o relator da Ação Penal (AP) 470 e hoje presidente da Corte, ministro Joaquim Barbosa. Sequer partiu dele a decisão de tirar os lideres petistas presos em regime fechado, para a instalação onde passaram ao regime semi-aberto.

Coube ao titular da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, Ademar da Silva Vasconcelos, na véspera, determinar a transferência dos condenados para o Centro de Internamento e Reeducação (CIR). Embora as condições sejam mais amenas, o pavilhão fica dentro do Complexo Penitenciário da Papuda, onde eles já estavam detidos, observou o senador Suplicy (PT-SP), que os visitou.

O fator político que embaça o julgamento da AP 470 e transforma a vida de Dirceu e Genoino em um alvo a mais em um presídio de alta periculosidade ficou mais uma vez demonstrado na declaração do ministro Marco Aurélio Mello, do STF. Segundo o magistrado, foi um erro a expedição dos mandados sem as cartas de sentença, que determinam o regime ao qual o condenado está designado. Novamente, a decisão partiu do presidente do STF, Joaquim Barbosa. A decisão, segundo Mello, deu um caráter provisório às prisões até a tarde desta segunda-feira, quando foram transferidos para um pavilhão de segurança mínima. Mello também revelou sua “perplexidade” com o transporte dos condenados para Brasília, já que a lei determina o cumprimento da pena próximo ao domicílio.

– Não entendo essa pressa toda. Não havia nenhum tipo de risco – estranhou.

Fonte: Correio do Brasil

Zeudir Queiroz

Zeudir Queiroz

Aceji - Associação Cearense de Jornalistas do Interior em Diretor
Comunicador há mais de 30 anos, comanda o Jornal dos Municípios, que veio de um programa da Rádio Clube de Fortaleza (antiga Ceará Rádio Clube) para as páginas de internet.Atualmente exerce o cargo de diretor da Associação Cearense de Jornalistas do Interior (ACEJI), sendo também ex-presidente da instituição.
Zeudir Queiroz

Deixe uma resposta

Por favor deixe seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.