Início Municípios Mercado Público de Crateús deve sofrer interdição

Mercado Público de Crateús deve sofrer interdição

0
COMPARTILHAR

Segundo o Corpo de Bombeiros, foram verificadas limitações graves com relação à segurança no local

Crateús. O Corpo de Bombeiros pedirá a interdição do Mercado Emanoel Cardoso, conhecido como “Mercado Velho” ou “Mercado Central”, neste município, por falta de segurança. O órgão realizou vistoria no local no início deste mês e está concluindo o relatório. Com base no que foi visto na edificação, o Corpo de Bombeiros já adianta que solicitará interdição do centenário Mercado. A informação é do comandante da unidade, major BM Souza Júnior.

O prédio que abriga o mercado nunca passou por uma reforma na estrutura
FOTO: SILVANIA CLAUDINO

“O Mercado não oferece condições seguras de funcionamento. A estrutura física está bastante precária em vários pontos, os espaços de circulação se confundem com os espaços de mercadorias, não há sinalização de emergência. A edificação é antiga e com muitas limitações. No relatório pediremos a interdição para que seja feito um projeto de reforma, incluindo o projeto de pânico e incêndio. O objetivo não é prejudicar os comerciantes, ao contrário, é proporcionar segurança aos comerciantes e população”, explica o oficial.

Segundo o comandante da corporação, na vistoria foram verificadas limitações graves com relação à segurança no local. Segundo ele, é perigoso para a população continuar utilizando o Mercado sem as devidas correções na segurança. As ruas internas, o teto, fiação e toda a estrutura são precárias.

Associação

O Mercado é localizado no centro da cidade e foi construído há mais de cem anos, de acordo com informações dos próprios comerciantes que ali realizam seus negócios e vendas diariamente. Restaurantes, lanchonetes, mercearias, confecções, miudezas, celulares, frutarias, frigoríficos, entre outros tipos de comércio funcionam no local.

O mercado de Crateús nunca passou por uma reforma completa em sua estrutura física. Nos últimos anos tem sofrido alterações em sua fachada, com a venda dos boxes externos pelos permissionários e a abertura de novas lojas.

Privado

Composto atualmente por 77 boxes, sendo 49 internos e 28 externos, segundo dados da Associação responsável pela gerência e funcionamento, o Mercado conserva a nomenclatura de Público e assim é chamado, porém, desde 1998 é privado, após doação de todos os bens imóveis pela gestão municipal da época aos comerciantes. A Lei N° 320/98 de 19 de junho de 1998, transferiu a propriedade e gestão do Mercado, antes patrimônio público, aos permissionários do referido Mercado Velho, bem como do Mercado João Afonso (Mercado Novo) e do Mercado Antônio Pierre de Aguiar.

A legislação, em seus artigos nono e décimo, autoriza a criação de Associações para administrar os imóveis e ser proprietárias das áreas de livre acesso, como nas ruas internas, banheiros e portões.

Nessa época foi criada a Associação dos Comerciantes do Mercado Público Central de Crateús (Ascomece), cuja última eleição ocorreu em 2003. Funcionando também de forma precária, ainda com a diretoria desse período, a Associação busca agora novo vigor com a eleição de nova diretoria, “a fim de renovar o quadro e empreender reformas no local”, como ressalta o presidente atual José Mota, conhecido como Zequinha.

Melhorias

“Faz seis anos que não fazemos reunião. Tentamos reunir o pessoal para marcar nova eleição. Reunimos poucos permissionários, mas conseguimos marcar a eleição para o dia 30 de novembro. Esperamos que tenha apoio e funcione de forma a melhorar o Mercado. O problema é que muitos querem ter direitos e não querem as obrigações”, disse José Mota.

A Associação, em seu início conseguiu realizar alguns melhoramentos no local, como informa o último presidente. “Em 2000, até 2004 arrumamos algumas coisas, como a instalação elétrica, melhoramos a frente, o piso, mudamos o teto em alguns locais, telhas e caibros”, disse o presidente da Associação

Desse período em diante, segundo ele, não foram realizadas recuperações ou reformas no prédio. Segundo Mota, a Associação atualmente arrecada em torno de R$ 500 por mês, valor irrisório para as necessidades de manutenção do local.

Mais Informações

Associação dos Comerciantes do Mercado Público Central de Crateús (Ascomece) – Mercado Emanoel Cardoso- Praça Marechal Deodoro, S/N – Crateús

SILVANIA CLAUDINO
REPÓRTER

Diário do Nordeste

Zeudir Queiroz

Zeudir Queiroz

Aceji - Associação Cearense de Jornalistas do Interior em Diretor
Comunicador há mais de 30 anos, comanda o Jornal dos Municípios, que veio de um programa da Rádio Clube de Fortaleza (antiga Ceará Rádio Clube) para as páginas de internet.Atualmente exerce o cargo de diretor da Associação Cearense de Jornalistas do Interior (ACEJI), sendo também ex-presidente da instituição.
Zeudir Queiroz

Deixe uma resposta

Por favor deixe seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.