Início Municípios Iluminação Pública provocará aumento na conta de energia

Iluminação Pública provocará aumento na conta de energia

0
COMPARTILHAR

A data limite para que os prefeitos passem a administrar o serviço pode ser alterada para 31 de dezembro/2014

Ainda com a data a ser definida, a gestão dos ativos da iluminação pública por todas as prefeituras do Estado deve gerar, principalmente nos pequenos municípios, 10% a mais em gastos, os quais poderão ser repassados aos consumidores, de acordo com estimativa do secretário-geral da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), Vasconcelos Neto.

No 1º Seminário Estadual Gestão e Eficiência em Iluminação Pública, a Aneel admitiu que o repasse pode sobrar para o consumidor FOTO: DIVULGAÇÃO

O aumento já considera os 10% que serão abatidos da conta paga pelos gestores à Companhia Energética do Ceará (Coelce), atualmente, e deve-se à estrutura (pessoal qualificado e equipamento) necessária para a gestão do parque de iluminação.

“Nós já partimos precisando de um carro com guincho, engenheiros eletricistas, todo equipamento de call center, e são estruturas que o município não tem como arcar. Isso tudo supera o abatimento (da conta que não será mais paga à Coelce pela iluminação pública) em duas vezes com certeza, não temos dúvidas disso”, diz Vasconcelos, que também é prefeito de Uruburetama.

A passagem da gestão da iluminação pública para os municípios tem base na constituição de 1988 e só agora teve a obrigatoriedade exigida por conta da resolução 414/2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Das 1.500 cidades que ainda não gerem a iluminação pública, o Ceará possui cerca de 150, de acordo com o superintendente de Regulação Comercial da Aneel, Marcos Bragatto.

No entanto, segundo o superintendente, a data limite para que prefeitos passem a administrar o serviço pode sofrer alteração e passar de 31 de janeiro de 2014 para 31 de dezembro do mesmo ano.

“Esperamos estar com o dia publicado até o fim de novembro deste ano”, estimou.

O Diário do Nordeste mostrou com exclusividade, no dia 29 de abril deste ano, a insatisfação das prefeituras com a transferência de ativos

Repasse ao consumidor

Diante do aumento nos custos apontados pelos prefeitos cearenses durante o 1º Seminário Estadual Gestão e Eficiência em Iluminação Pública, Bragatto admitiu a possibilidade de que um repasse pode acabar sobrando para os consumidores através da criação de taxas de iluminação pública nas cidades. “Isso vai onerar muito a receita dos municípios e ainda vamos ter de repassar para a população, que já vem cansada de tantos impostos e vai aumentar mais ainda com uma taxa de iluminação pública. Nós temos que ver uma saída”, observa o secretário-geral da Aprece.

A justificativa para o repasse, de acordo com o superintendente da Aneel, é que “o custo praticado pela distribuidora hoje é inferior ao que os municípios terão, pois ela atende a uma grande quantidade de municípios. Então, ela compra em escala, compartilha estrutura, utiliza o mesmo eletricista, mesmos veículos e também a central de teleatendimento”.

Perguntado sobre quanto sairia a mais para o consumidor, Vasconcelos Neto disse que o reajuste da taxa de iluminação dependerá de cada prefeitura, pois elas são responsáveis pela legislação que rege a taxa.

Consórcios são saída

Já a tal saída para que a população não seja onerada também, segundo apontou o representante da Aprece, é a criação de consórcios entre cidades pequenas para que, unidas, elas possam licitar o serviço de manutenção e modernização da iluminação pública para uma empresa privada com expertise. A ideia de ter nesses consórcios o modelo mais viável foi compartilhada pelo superintendente da Aneel e pelo diretor institucional da Coelce, José Nunes. Para ele, esta opção servirá “não só para a iluminação pública, mas para gestão do lixo, da água e outros mais”.

“Mas, aqui no Ceará, a gente tem uma vantagem. Todos os municípios pequenos estão em volta de um município grande. Então, como a empresa vai prestar serviço nas cidades maiores, também vai prestar nas pequenas. Assim, a gente espera diminuir os custos com a gestão da iluminação pública que seriam repassados ao cidadão”, conta Vasconcelos Neto.

ARMANDO DE OLIVEIRA LIMA
REPÓRTER

OPINIÃO

Lei municipal é essencial, ou a conta não fecha

Pacatuba hoje tem sua gestão de iluminação pública com uma empresa privada. Foi um processo licitatório de 2010, anterior a minha gestão, pois entrei em 2013. Em termos de qualidade de serviço e atendimento está muito bom, mas a nossa preocupação é a taxa de iluminação pública, que vem sendo reduzida nos últimos três anos. É importante tomar uma decisão, pois a manutenção está saindo muito cara. Se a gente não tomar uma medida para que a gente possa rever a questão da tarifa, nem a empresa que faz o serviço a gente vai poder mais pagar.

Nós começamos com uma arrecadação oriunda da tarifa de iluminação pública de R$ 180 mil, depois caiu para R$ 150 mil e nós temos uma conta de energia R$ 130 mil mais cerca de R$ 20 mil da empresa. Já empatou e nós não podemos fazer mais nenhum tipo de serviço. E ainda temos um agravante que é a CE-060, que tem as luzes mantidas na sua conta. O ideal seria se o governo do Estado assumisse essa conta.

Alexandre Alencar
Prefeito de Pacatuba

Diário do Nordeste

Zeudir Queiroz

Zeudir Queiroz

Aceji - Associação Cearense de Jornalistas do Interior em Diretor
Comunicador há mais de 30 anos, comanda o Jornal dos Municípios, que veio de um programa da Rádio Clube de Fortaleza (antiga Ceará Rádio Clube) para as páginas de internet.Atualmente exerce o cargo de diretor da Associação Cearense de Jornalistas do Interior (ACEJI), sendo também ex-presidente da instituição.
Zeudir Queiroz

Deixe uma resposta

Por favor deixe seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.