Início Fortaleza Fortaleza é a 13ª cidade mais violenta do mundo, segundo pesquisa

Fortaleza é a 13ª cidade mais violenta do mundo, segundo pesquisa

0
COMPARTILHAR

Fortaleza subiu 24 posições no ranking dos assassinatos de um ano para o outro. No Brasil é, agora, a quarta capital com a maior taxa de homicídios. Especialista critica política de segurança

Alcançou mais uma marca preocupante o ano que rendeu a Fortaleza o maior número de assassinatos da história da capital cearense. Com um aumento de 47% nos homicídios dolosos em relação a 2011, 2012 fez de Fortaleza a 13ª cidade mais violenta do mundo, segundo relatório do Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Penal – uma Organização Não-Governamental (ONG) sediada no México que, desde 2002, analisa políticas públicas, impunidade, narcotráfico, sequestro e segurança.

O ranking da ONG cita 15 capitais brasileiras entre as 50 metrópoles com as mais elevadas taxas de assassinato do planeta. O índice é um quociente entre o contingente populacional e o número de mortes intencionais de cada localidade. Fortaleza figura na quarta pior situação do Brasil. No Nordeste, é a terceira (ver mapa). Rio de Janeiro e São Paulo – que lideraram por anos os homicídios no País – não são citados na lista.

Em relação ao mesmo estudo de 2011, Fortaleza piorou 24 posições no ranking. Tinha uma taxa homicida de 42,90 – que lhe deixava em 37º lugar mundial – e saltou para uma taxa de 66,39 em 2012 – dando-lhe o 13º lugar. Trata-se do maior avanço dentre as capitais brasileiras. João Pessoa, o segundo maior crescimento, subiu 19 lugares.

Em 2011, Fortaleza era a 11ª capital brasileira com o maior índice de assassinatos por grupo de 100 mil habitantes. Piorou, portanto, sete posições no ranking do ano seguinte – quando apareceu no quarto lugar.

Maceió, cuja taxa de homicídios era de 135,26 em 2011 (terceiro lugar mundial e primeiro do Brasil), apresentou em 2012 taxa de 85,88. A redução não fez a capital alagoana perder o posto de mais violenta do País, mas melhorou em três posições a situação da cidade no ranking mundial.

Belém, Macapá, Curitiba e Belo Horizonte também recuaram posições na lista das 50 metrópoles mais violentas do mundo. No ranking brasileiro, reduziram 16, nove, três e três posições, respectivamente. As demais capitais do País constantes no ranking pioraram as taxas homicidas de um ano para o outro.

Silêncio

O POVO procurou a Secretaria Estadual da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) na tentativa de saber quais medidas serão implementadas para reduzir os índices de violência de Fortaleza.

A reportagem foi informada pela assessoria de imprensa de que a pasta desconhecia a pesquisa (pública e disponibilizada no site da ONG mexicana desde 19 de fevereiro) e só poderia posicionar-se após analisá-la. O POVO enviou o documento à assessoria da SSPDS. Ainda assim, nenhum representante da secretaria quis comentar o estudo.

ENTENDA A NOTÍCIA

A integração de políticas de segurança com a de outras áreas é apontada como meio de reduzir a violência. Experiências em São Paulo, Colômbia e Minas Gerais já mostradas pelo O POVO provam que junção dá certo.

Serviço

O estudo “As 50 cidades mais violentas do mundo”, da ONG mexicana, pode ser acessado em: bit.ly/X2tL2j

Saiba mais

Segundo Geovani Jacó, cerca de 70% dos casos de assassinatos ocorrem perto das residências das vítimas. “Ou seja: a população está se matando. E está se matando porque não há mediação do Estado na prevenção dos conflitos de baixa potencialidade.

Uma disputa de território pode evoluir para um homicídio”, explica o pesquisador do LEV/UFC.

Em outras reportagens do O POVO sobre o tema assassinatos, representantes da SSPDS atribuíram os altos índices à ligação dos casos ao tráfico de drogas. A pasta estima uma correlação
de cerca de 90%.

Especialistas em violência rebatem a afirmação e cobram da secretaria a apresentação de estudos detalhados que comprovem os dados e tragam o perfil das vítimas.

Das 50 cidades listadas pela ONG mexicana no ranking, 47 são da América Latina. Apenas três situam-se na África.

Ontem, O POVO mostrou que a Prefeitura de Fortaleza pretende criar uma rede de amparo aos jovens em conflito com a lei que estejam cumprindo medidas socioeducativas. A ideia é oferecer a eles oportunidades de qualificação para o ingresso no mercado de trabalho. No caso dos dependentes químicos, garantir também a submissão a tratamentos ou períodos de desintoxicação em clínicas especializadas.

Números

1.628

homicídios foram registrados em Fortaleza em 2012

66,39

foi a taxa de homicídios da capital cearense no ano passado

47%

foi o aumento no número de homicídios em um ano em Fortaleza

Fonte: O Povo

Zeudir Queiroz

Zeudir Queiroz

Aceji - Associação Cearense de Jornalistas do Interior em Diretor
Comunicador há mais de 30 anos, comanda o Jornal dos Municípios, que veio de um programa da Rádio Clube de Fortaleza (antiga Ceará Rádio Clube) para as páginas de internet.Atualmente exerce o cargo de diretor da Associação Cearense de Jornalistas do Interior (ACEJI), sendo também ex-presidente da instituição.
Zeudir Queiroz

Deixe uma resposta

Por favor deixe seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.