Câmara reforça debate sobre regulamentação da Uber em Fortaleza

0
47

As polêmicas sobre o funcionamento da Uber em Fortaleza voltam a ganhar espaço e atenção. O debate traz à tona o impacto que os novos meios de transporte individual privado causam ao trânsito, aos usuários, à Cidade. Na Câmara Municipal, as discussões sobre o projeto que trata da regulamentação deste segmento deverão se intensificar na busca por um texto a ser votado. Entre os especialistas, a questão ganha apoio e críticas.

Decisão da Justiça sobre a Uber em Fortaleza faz comissão de vereadores acelerar trabalho sobre regulamentar o serviço CAMILA DE ALMEIDA

A partir de hoje e nas próximas três semanas deverão ser realizadas audiências públicas todas as segundas-feiras para ouvir representações envolvidas, trazer os parlamentares à construção do texto e, posteriormente, levá-lo ao plenário. É o que garante o vereador Guilherme Sampaio (PT). “É importante preservar um serviço público aprovado pela população, que é o táxi. Mas agregar o novo sem causar prejuízo ao planejamento de trânsito e de transporte”, pondera o vereador.

“Estamos em um novo momento de mobilização dos vereadores em relação a essa questão. As resistências que eram condicionadas à Prefeitura se reduziram muito. Quer seja pelo serviço que já está instalado ou através de decisões judiciais”, afirma o vereador, autor do projeto.

A gerente de Comunicação da Uber para o Nordeste, Atalija Lima, destaca que é preciso debate entre a população, os legisladores e as empresas de tecnologia. “A Uber está à disposição do poder público para participar de debates e contribuir para a criação de uma regulação moderna”, ressalta. Ela alerta que regulações baseadas em leis antigas podem criar limites que façam o sistema ser menos eficiente, “aumentando o preço e diminuindo a confiabilidade”.

Para a Prefeitura, conforme informação da assessoria de comunicação da gestão, a legislação que trata dos transportes individuais privados deve ter caráter nacional.

Análise

Para o presidente da Comissão de Trânsito e Tráfego da Ordem dos Advogados do Brasil secção Ceará(OAB-CE), Mário Jatahy, a interferência do Judiciário em questões de planejamento urbano é prejudicial. “O judiciário não entende sobre questões de trânsito, e a interferência confunde o que a Prefeitura planeja para a Cidade. Na comissão, a gente apura o que diz o CTB (Código de Trânsito Brasileiro). E tudo precisa ser regulamentado”.

Vistoria dos carros, limite de quantidade de veículos circulando e entrevista junto aos motoristas são pontos essenciais para a regulamentação, conforme o advogado. “A Prefeitura não deve fugir das novas tecnologias. A Uber melhorou muito a qualidade do táxi. Tem um lado muito positivo. Só não pode ser pirata”, comenta.

Saiba mais

Algumas propostas do projeto de regulamentação:

Cadastramento das empresas de aplicativos, dos motoristas e dos veículos junto aos órgãos de trânsito municipais

Medidas de segurança para o sigilo de dados do usuário

Uber e outros transportes privados não poderiam usar as faixas prioritárias nem os pontos de táxi

Atendimento à população apenas através de aplicativo ou central telefônica

Não seria permitido aplicar nenhum tipo de discriminação

As empresas seriam obrigadas a repassar informações estatísticas aos órgãos de trânsito (como números de viagens e rotas mais frequentes)

SARA OLIVEIRA

Com informações do Jornal O Povo

Zeudir Queiroz

Zeudir Queiroz

Aceji - Associação Cearense de Jornalistas do Interior em Diretor
Comunicador há mais de 30 anos, comanda o Jornal dos Municípios, que veio de um programa da Rádio Clube de Fortaleza (antiga Ceará Rádio Clube) para as páginas de internet.Atualmente exerce o cargo de diretor da Associação Cearense de Jornalistas do Interior (ACEJI), sendo também ex-presidente da instituição.
Zeudir Queiroz

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.