Início Caucaia Aço Cearense se junta à Posco por laminadora no CE

Aço Cearense se junta à Posco por laminadora no CE

0
COMPARTILHAR

Após seis meses de negociações, empresa sul-coreana formaliza intenção de ser sócia do empreendimento

O projeto que visa implantar uma laminadora de aços planos no Estado, idealizado pela Aço Cearense, ganhou, enfim, um sócio para o seu desenvolvimento. Trata-se da sul-coreana Posco, que assinou ontem, o Memorando de Entendimento com a empresa cearense, comprometendo-se assim, a produzir um estudo de viabilidade técnica e econômica para a criação do empreendimento. Em sua primeira fase contará com um investimento de US$ 800 milhões.

A primeira fase do empreendimento deve produzir 700 mil ton de bobinas por ano
Foto: Divulgação

De acordo com o vice-presidente da Aço Cearense, Ian Corrêa, a assinatura do protocolo é mais uma etapa superada para que o projeto ganhe força. “O estudo deve ficar pronto ainda no primeiro semestre do próximo ano, trazendo todos os detalhes sobre investimentos, produção, número de funcionários e localização do empreendimento”, afirma. “Chegamos em um entendimento com a Posco e acredito que o namoro virou noivado”, brinca Corrêa.

Quando a Aço Cearense ainda buscava investidores para o projeto da laminadora, uma empresas europeia e outra norte-americana chegaram a ser cogitadas, assim como a também sul-coreana Dongkuk. Ian Corrêa, porém, afirmou que, por hora, a parceria será apenas com a Posco. “A princípio, a Aço Cearense será a sócia majoritária, mas a porcentagem de cada uma ainda será definida”, comenta.

Terreno em Caucaia

Ao contrário do que foi cogitado anteriormente, a laminadora não dever ser instalada dentro da Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Pecém. Isso porque, caso fosse assim, o empreendimento precisaria destinar 80% de sua produção à exportação, o que não faz parte dos planos da Aço Cearense. “Queremos atingir o mercado nacional”, explica Ian Corrêa.

Cid Gomes participou como testemunha da assinatura do Memorando de Entendimento entre a Posco e a Aço Cearense Foto: Joselito Silveira/Divulgação

Segundo o presidente do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), Alexandre Pereira, o governo possui um terreno de 135 hectares no município de Caucaia e deve vender a área para a construção do empreendimento. “O principal cliente da laminadora será a própria Aço Cearense, que vai aproveitar até metade da produção. Assim, não faz muito sentido fazer a instalação em uma área com incentivo às exportações”, opina o secretário.

Terceira siderúrgica

Com a construção da laminadora, o Ceará deve contar com um total de três siderúrgicas nos próximos anos, tendo em vista que já estão em instalação a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) e a Siderúrgica Latino-Americana (Silat), em Caucaia.

São duas fases previstas para a construção da laminadora. A primeira deverá contar com a produção total em torno de 700 mil toneladas, por ano, de bobinas (ar quente, ar frio e galvanizadas). Já na segunda fase, o total chegará a 1 milhão de toneladas/ano das mesmas bobinas.

ÁQUILA LEITE
REPÓRTER

Diário do Nordeste

 

Zeudir Queiroz

Zeudir Queiroz

Aceji - Associação Cearense de Jornalistas do Interior em Diretor
Comunicador há mais de 30 anos, comanda o Jornal dos Municípios, que veio de um programa da Rádio Clube de Fortaleza (antiga Ceará Rádio Clube) para as páginas de internet.Atualmente exerce o cargo de diretor da Associação Cearense de Jornalistas do Interior (ACEJI), sendo também ex-presidente da instituição.
Zeudir Queiroz

Deixe uma resposta

Por favor deixe seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.