Aço Cearense se junta à Posco por laminadora no CE

0
39

Após seis meses de negociações, empresa sul-coreana formaliza intenção de ser sócia do empreendimento

O projeto que visa implantar uma laminadora de aços planos no Estado, idealizado pela Aço Cearense, ganhou, enfim, um sócio para o seu desenvolvimento. Trata-se da sul-coreana Posco, que assinou ontem, o Memorando de Entendimento com a empresa cearense, comprometendo-se assim, a produzir um estudo de viabilidade técnica e econômica para a criação do empreendimento. Em sua primeira fase contará com um investimento de US$ 800 milhões.

A primeira fase do empreendimento deve produzir 700 mil ton de bobinas por ano
Foto: Divulgação

De acordo com o vice-presidente da Aço Cearense, Ian Corrêa, a assinatura do protocolo é mais uma etapa superada para que o projeto ganhe força. “O estudo deve ficar pronto ainda no primeiro semestre do próximo ano, trazendo todos os detalhes sobre investimentos, produção, número de funcionários e localização do empreendimento”, afirma. “Chegamos em um entendimento com a Posco e acredito que o namoro virou noivado”, brinca Corrêa.

Quando a Aço Cearense ainda buscava investidores para o projeto da laminadora, uma empresas europeia e outra norte-americana chegaram a ser cogitadas, assim como a também sul-coreana Dongkuk. Ian Corrêa, porém, afirmou que, por hora, a parceria será apenas com a Posco. “A princípio, a Aço Cearense será a sócia majoritária, mas a porcentagem de cada uma ainda será definida”, comenta.

Terreno em Caucaia

Ao contrário do que foi cogitado anteriormente, a laminadora não dever ser instalada dentro da Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Pecém. Isso porque, caso fosse assim, o empreendimento precisaria destinar 80% de sua produção à exportação, o que não faz parte dos planos da Aço Cearense. “Queremos atingir o mercado nacional”, explica Ian Corrêa.

Cid Gomes participou como testemunha da assinatura do Memorando de Entendimento entre a Posco e a Aço Cearense Foto: Joselito Silveira/Divulgação

Segundo o presidente do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), Alexandre Pereira, o governo possui um terreno de 135 hectares no município de Caucaia e deve vender a área para a construção do empreendimento. “O principal cliente da laminadora será a própria Aço Cearense, que vai aproveitar até metade da produção. Assim, não faz muito sentido fazer a instalação em uma área com incentivo às exportações”, opina o secretário.

Terceira siderúrgica

Com a construção da laminadora, o Ceará deve contar com um total de três siderúrgicas nos próximos anos, tendo em vista que já estão em instalação a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) e a Siderúrgica Latino-Americana (Silat), em Caucaia.

São duas fases previstas para a construção da laminadora. A primeira deverá contar com a produção total em torno de 700 mil toneladas, por ano, de bobinas (ar quente, ar frio e galvanizadas). Já na segunda fase, o total chegará a 1 milhão de toneladas/ano das mesmas bobinas.

ÁQUILA LEITE
REPÓRTER

Diário do Nordeste

 

Zeudir Queiroz

Zeudir Queiroz

Aceji - Associação Cearense de Jornalistas do Interior em Diretor
Comunicador há mais de 30 anos, comanda o Jornal dos Municípios, que veio de um programa da Rádio Clube de Fortaleza (antiga Ceará Rádio Clube) para as páginas de internet.Atualmente exerce o cargo de diretor da Associação Cearense de Jornalistas do Interior (ACEJI), sendo também ex-presidente da instituição.
Zeudir Queiroz

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.